Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Cannabis Medicinal (Maconha) afeta a direção?
12/08/2019 08:54 em Novidades

O uso de Cannabis medicinal (Maconha)  afeta a direção?

 

 

 

Não. Estudos sobre o uso da cannabis medicinal (maconha) provam que não prejudicam a coordenação motora, não prejudicam a capacidade de concentração e não retardam o tempo de reação, inclusive a cannabis medicinal é usada para recuperar e tratar pessoas com dificuldade motora.

Mais provas foram coletadas provando que o uso de cannabis (CBD/THC) não causa influência psicomotora negativa aos pacientes por ser um componente natural ao sistema endocanabinóide humano, o consumo da cannabis como medicação repõe estes componentes ao qual o corpo humano necessita para uma melhor tratamento e recuperaçao da saude psicomotora e psico-cognitiva de seu sistema.

Alguns países estão permitindo o uso de cannabis medicinal para dirigir por não execer perigo ao volante, e suas carteiras de motorista possuem a informação de consumidor de medicação à base de canabinóides.
Consumidores que usam cannabis medicinal já provaram que são ótimos motoristas e que não possuem infrações, ou possuem um índice de infrações e/ou acidentes nulos ou muito inferiores em comparação aos que não são usuarios de substancias (excluído alcohol) durante todos seus anos de habilitação.

Em mais de um estudo de pesquisa encontram-se ligações em que a concentração de THC no sangue e as habilidades de condução não são prejudicadas, relatos sobre intoxicação são descartados pois ja foi provado cientificamente que o THC não eh uma substância tóxica nem pode ser classificada como medicação psicoativa.

Quando o uso de álcool, o risco de ter um acidente na estrada é significativamente maior - muito maior do que com qualquer um dos outros medicamentos lícitos ou ilícitos usados ​​por si só.

Pesquisas indicam que, usuários de substâncias ilícitas em geral nas estradas como motoristas convencionais ou profissionais, as usam para suportar mais de 8, 16, 24 horas diarias de trabalho, chegando até 48hs ininterruptas de jornada ou mais.
Logicamente se analiza que acidentes em geral que acontecem nas estradas, NÃO são causadas pelo uso de medicações, mas por Fatiga induzida para exercer o trabalho impostas pelas empresas e seus patrões, consequentemente pelo capital.

No caso as autoridades deveriam criminalizar e exercer duras multas as empresas e patrões que abusam do uso de autoridade, usando o capital através do salário controlado e tempo de trabalho forçado oferecidos a estes trabalhadores, para que não precisassem recorrer a medicações para exercer o trabalho, forçando-os a Fatiga induzida.


Também há relatos que mesmo assim, criminalizando as medicações lícitas ou ilícitas usadas para forçar a jornada de trabalho diminuiria o risco, pois os trabalhadores não usariam para exercer este tempo excessivo de trabalho exigido pelas empresas.
Logicamente teriamos que também então proibir a venda de café (cafeína) e energizantes fornecidos no mercado aberto de produtos industrializados. Novamente a culpa recai única somente sobre a fiscalização apenas de empresas e patrões que exercem este controle capital, e não sobre as substâncias ilicitas ou lícitas.

Relatórios mostram um aumento no número de condutores que testaram positivo para Fatiga. Eles afirmam que um em cada quatro motoristas testados apresentava Fatiga por excesso de trabalho.

Motoristas que usam maconha afirmam que fumar maconha, consumir bebidas ou produtos alimentícios à base de canabinóides realmente ajuda a manter sua concentração e funções psico-cognitivas e, portanto, suas habilidades físicas e de atenção. Os pesquisadores concluíram que isso é verdade.


Quase todos os pesquisadores que estudam esta questão notam que há preocupações com as estatísticas de direção prejudicadas pelo excesso de trabalho, causando Fatiga.

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!